Novos caminhos para a vida consagrada na realidade Pan-Amazônica

New paths for consecrated life in the Pan-Amazonian reality

Ivan Lopes do Nascimento1


1 A realidade pan-amazônica


A realidade pan-amazônica, retratada no Instrumentum Laboris para o Sínodo Amazônico, tem desafios e possíveis caminhos para a evangelização. Esse documento consta de três partes: a primeira apresenta a realidade territorial pan-amazônica e a de seus povos; a segunda, os desafios ecológicos e pastorais e, a terceira parte, os desafios eclesiológicos e pastorais2.

Intitulada “A voz da Amazônia”, a primeira parte ressalta a territorialidade pan-amazônica que abarca parte do Brasil, da Bolívia, do Peru, do Equador, da Colômbia, da Venezuela, da Guiana, do Suriname e da Guiana Francesa, em uma extensão de 7,8 milhões de quilômetros quadrados, no coração da América do Sul. Como se constata, há o desafio da comunicação, dadas as muitas etnias, vários idiomas e dialetos, além do desafio de ser um território extenso e de fronteiras internacionais, cuja logística para o deslocamento de um lugar a outro acarreta custos elevados3.

Na segunda parte, “Ecologia integral: o clamor da terra e dos pobres”, o documento expõe as fragilidades da Amazônia, tais como: a sua preservação e utilização sustentável dos seus recursos; a marginalização das populações que ali vivem e a migração pendular (vão e vêm), o deslocamento forçado, dentro do mesmo país e para o exterior, a migração voluntária de áreas rurais para as cidades e a migração internacional, com consequências sociais e pastorais inevitáveis4.

Finalmente, a terceira parte, “Igreja profética na Amazônia: desafios e esperanças”, abarca a inculturação para que as Igrejas locais tenham um rosto amazônico, a conversão pastoral e missionária, no marco de uma clara heterogeneização cultural5. Nesse ponto, a vida consagrada, como parte integrante da vida diocesana, não sendo nem clerical nem laical, poderá oferecer uma contribuição preciosa para a evangelização naquele território6.

Nesse sentido, o retrato amazônico no Instrumentum Laboris incidirá nas reflexões do Sínodo Especial para a Amazônia, na Exortação Apostólica Pós-Sinodal “Querida Amazônia”, na criação da Conferência Eclesial da Amazônia e no estímulo para que a vida consagrada, nas suas mais variadas formas, possa inserir-se de modo profícuo naquela realidade.




2 A Conferência Eclesial da Amazônia


Em 29 de junho de 2020, foi criada a Conferência Eclesial da Amazônia como organismo permanente, dando resposta aos apelos do Papa Francisco na sua “Querida Amazônia”; uma vez legitimamente erigida gozará ipso iure de personalidade jurídica7.

Essa conferência eclesial certamente privilegiará o exercício de certas funções pastorais dos bispos daquela região em favor dos fiéis, para o bem da Igreja e para a promoção de novas formas pastorais adaptadas às circunstâncias de tempo e de lugar e, à consecução da sua finalidade, sintetizada nos quatro sonhos ou dimensões propostos pelo Sumo Pontífice: social, cultural, ecológico e eclesial8.

Esse órgão eclesial ainda não foi erigido canonicamente pelo Santo Padre, a quem compete exclusivamente essa função, porque difere essencialmente de uma conferência dos bispos, de acordo com o direito universal; provavelmente, será a primeira conferência para uma determinada região que inclui bispos, presbíteros e leigos9. Foi eleito, como primeiro presidente da Conferência Eclesial, S. Em.ª Revma. Card. Claudio Hummes, sendo também constituído um comitê executivo.


3. Novos caminhos para a vida consagrada


Em que sentido o n. 95 da exortação apostólica oferece novos caminhos para vida consagrada dentro da realidade pan-amazônica apresentada no Instrumentum Laboris, que serviu de base para as inúmeras reflexões?

O primeiro caminho é a consciência da importância dos institutos de vida consagrada e das sociedades de vida apostólica que, ainda que não integrem a estrutura hierárquica da Igreja, fazem parte da sua vida e da sua santidade10. A vida religiosa, se bem estimulada, poderá inculturar-se e auxiliar a atividade missionária no território pan-amazônico, além de suscitar novas formas de vida religiosa; nesse sentido, a Conferência Eclesial da Amazônia deverá acompanhar as fundações de novos institutos suscitados como dom do Espírito Santo à Igreja na Amazônia11.

Outro caminho importante é o da pastoral vocacional, pois a vida consagrada é parte integrante da vida diocesana e local. O decreto conciliar Perfectae caritatis trata especificamente dos institutos de vida consagrada e ressalta, de modo claro, a importância de um trabalho vocacional com qualidade, em função das necessidades da Igreja, em comunhão com a Igreja diocesana e com o próprio exemplo de vida12.

Não menos importante é o caminho da formação específica e permanente dos membros dos institutos que realizam sua missão naquela realidade, possibilitando centros de estudos com excelência acadêmica e reconhecimento canônico e civil13. Unida à formação, há o caminho que se encontra indicada na Perfectae caritatis, para que os institutos conservem suas obras, de acordo com as necessidades da Igreja, mas que também saibam adaptá-las às necessidades de tempo e de lugar, imperativo dentro do contexto pan-amazônico14.

Por fim, o território é vasto e diversificado cultural e socialmente; por isso, à luz da criação da Conferência Eclesial da Amazônia, um quinto caminho para melhor inserção e promoção da vida consagrada poderia ser a criação de uma conferência para os religiosos naquele território.15 Esse organismo daria a sustentação para todos os caminhos anteriormente citados e, em cooperação com a Conferência Eclesial, coordenaria e integraria os trabalhos pastorais, respeitando a autonomia, a índole e o espírito próprio de cada instituto16.

1 Estudante de Mestrado em Direito Canônico pelo Instituto Superior de Direito Canônico Santa Catarina (Florianópolis – Brasil), bacharel em teologia e mestre em filosofia pelo Ateneo Pontificio Regina Apostolorum (Roma).

2 Secretaria Geral do Sínodo dos Bispos. Instrumentum Laboris para a assembleia especial do Sínodo dos Bispos para a Região Pan-Amazônica sobre o tema Amazônia, novos caminhos para a Igreja e para a ecologia integral. Disponível em: http://www.synod.va/content/sinodoamazonico/pt/documentos/instrumentum-laboris-do-sinodo-amazonico.html. Acesso em: 28 jul. 2020.

3 Ibid., n. 6-43.

4 Ibid., n. 44-104.

5 Ibid., n. 105-146.

6 Ioannes Paulus II, Codex Iuris Canonici, Constitutio Apostolica: Sacra disciplina lege, 1983. In: AAS LXXV Pars II, 1983, 1-327, cânon 588 §1.

7 CIC-1983, cânon 449 §2.

8 Ibid., cânon 447. Francisco. Exortação apostólica pós-sinodal “Querida Amazônia”. Disponível em: http://www.vatican.va/content/francesco/pt/apost_exhortations/documents/papa-francesco_esortazione-ap_20200202_querida-amazonia.html. Acesso em: 28 jul. 2020.

9 Ibid., cânones 447, 448, 449 §1 e 451.

10 Concilium Oecumenicum Vaticanum II, Constitutio Dogmatica de Ecclesiae: Lumen gentium. In: AAS, LVII, 1965, 5-71, n. 39-47. CIC-1983, cânon 577.

11 Concilium Oecumenicum Vaticanum II, Decretum: Ad gentes. In: AAS, LVIII, 1966, 947-990, n. 18. Concilium Oecumenicum Vaticanum II, Decretum: Perfectae caritatis. In: AAS, LVIII, 1966, 702-712, n. 19. D. Geraldo, As formas de vida consagrada como dom do espírito santo à Igreja. In: REVISTA DE CULTURA TEOLÓGICA, XIX, 2011, 87-109. CIC-1983, cânon 576.

12 Decret. Perfectae caritatis, n. 24. CIC-1983, cânon 642.

13 Ibid., n. 18. CIC-1983, cânones 659-661.

14 Ibid., n. 20-21. CIC-1983, cânones 677-679.

15 Ibid., n. 23. CIC-1983, cânon 709.

16 CIC-1983, cânon 708.